Vaquinha para desempregada e filha com paralisia se manterem nessa pandemia


Essa é a dona Adelina Chaves, 52 anos, e a sua filha Tuania, de 25 anos que nasceu com paralisia cerebral. Dona Adelina é uma guerreira que diante de tantas dificuldades, batalha todos os dias para não faltar fraldas e medicamentos para sua filha em Cataguases (MG).

Mas, sem poder trabalhar, já que a filha depende integralmente dela, e o marido que sofre de Síndrome do Pânico também, a dona de casa tem sobrevivido de doações e de um pequeno benefício da filha. Ela não é aposentada, e há 3 anos, o INSS cortou benefício do marido.

Só que a Tuania usa fraldas o dia todo e tem muitos custos com medicamentos e alimentação.

A dona de casa até começou a fazer salgados e lanches para vender, só que ela não teve condições de manter os custos dos materiais.

Sua história chegou até nós pela sua filha mais velha Bruna, que desempregada e também com filho para criar, não consegue ajudar mais a mãe.

“Eu ajudava muito ela, só que com essa pandemia, eu fui demitida do meu trabalho. Minha mãe está tendo crise de ansiedade e vive tomando remédios para controlar a pressão”, desabafou.


A vaquinha é para que a dona Adelina possa se manter por um longo tempo e também investir na sua salgadaria, que tem sido sua fonte extra de renda para não faltar as coisas para a Tuania.

[Vamos dar uma força para essa mãezona! Clique aqui e contribua com a sua vaquinha. A doação pode ser feita em boleto, cartão de crédito ou Paypal]

O valor mínimo da doação na plataforma é R$25,00 por conta das taxas bancárias e no Paypal é de R$40.

Se você quiser, pode combinar com os amigos e dividir o valor entre vocês, que tal?

A equipe da VOAA apura todas as vaquinhas publicadas na plataforma. Acompanhamos as histórias antes, durante e após finalizar as campanhas em nossas redes sociais.

Problemas com pagamentos? Envie e-mail para [email protected]