Campanha para família que mora em barco abandonado

Despejado de uma casa onde trabalhava, há 3 anos, o ex-morador de rua Carlos Roberto, juntamente com a sua filha Clara Roberta, de 12 anos mora num barco abandonado no bairro da Ribeira, em Salvador (BA), onde ele e a filha foram acolhidos pelo idoso e pescador Nivaldo Santos, que mora no barco há 15 anos. Com chuvas recorrentes na região, família tem medo do barco todo furado afundar.

“Agora está chovendo muito aqui e quando chove, o barco fica cheio de água. A gente levanta de madrugada e fica jogando a água pra fora com um balde”, contou Nivaldo.

Carlos é ex-morador de rua e conseguiu deixar a situação em que vivia quando aceitou cuidar de um idoso em troca de comida e moradia. Ele foi despejado há três anos, após a morte do chefe.

Desempregado, seu sonho é conseguir alugar um cantinho em que possa viver com a filha e com o idoso que o acolheu e que considera seu pai, além de conseguir um emprego. 

Juntos, passam por muitas dificuldades, Nivaldo, Carlos e a filha Clara Roberta precisaram comer ração para cachorros por uma semana. “Eu dizia para minha filha que ruim com ele [ração] e pior sem ele, vamos agradecer até porque o cachorro não morre, então por que a gente vai morrer? Depois as coisas melhoraram um pouquinho, mas a gente chegou a comer ração de cachorro”, completou.

Esta história comoveu muita gente e queremos ajudá-los! Contribua!

Edit: Foi confirmado com a Prefeitura de Salvador e com a @sempresalvador que, com a repercussão da história, a família começou a ser assistida pela Secretaria de Promoção Social e Combate à Pobreza (SEMPRE) e CRAS Itapagipe, deixando o seu Carlos apto para recebimento de benefícios. E esta semana, o seu Carlos já poderá sacar também o aluguel social. Isso fortalece mais ainda a vaquinha, para que com o dinheiro, a família possa mobiliar a casa, pagar as contas mensais e se manter! <3 Conseguindo mudar do barco, informamos vocês também, ok? Estamos de olho! Que coisa lindaa, muita gente envolvida nessa causa!

Dúvidas de como contribuir, ou qualquer outro questionamento? Nos mande WhatsApp clicando aqui.