Vaquinha para pai solo que não tem internet em casa e pedala mais de 14 km para buscar tarefas dos filhos


Conheça a história desse paizão de Guaratuba (PR)! O Seu Edenilson tem 47 anos e mora com seus três filhos de 16, 14 e 12 anos na zona rural da cidade.

Durante essa pandemia, sem internet em casa, semanalmente ele percorre de bicicleta mais de 14 km a BR 101, considerada a rodovia mais perigosa do Litoral Sul do Paraná, rumo a Garuva, Santa Catarina onde seus filhos estudam, para pegar as tarefas escolares.

Todo esse esforço para buscar o material da semana é para evitar que seus filhos percam os estudos e percorram esse caminho tão perigoso.

A vaquinha é para que eles possam comprar um computador e também tenham acesso a internet. O valor também ajudará esse pai solo no sustento de casa já que está desempregado.

[Clique aqui para contribuir com a vaquinha e faça a sua doação em boleto, cartão de crédito ou Paypal]

Pai percorre a rodovia mais perigosa do Litoral Sul do Paraná


A estrada é tão perigosa que há mais ou menos 5 anos, Nicoli, hoje com 12 anos, passou muito mal.

Seu Edenilson colocou ela na garupa de sua bicicleta para levá-la até um posto de saúde. No caminho pela rodovia, um caminhão de vidraça acabou tombando na pista e os vidros caíram por cima dela, ela levou mais de 50 pontos pelo corpo.

[Clique aqui para contribuir com a vaquinha e faça a sua doação em boleto, cartão de crédito ou Paypal] 

A mãe das crianças abandonou a família há 9 anos


Desde então, é seu Edenilson quem cuida sozinho dos filhos. Quando a mãe das crianças foi embora, uma de suas filhas tinha apenas 3 anos.

Na época, seu Edenilson passava a noite deixando tudo prontinho para os filhos, comida, uniformes limpos.

Conforme os filhos foram crescendo, eles foram ajudando a cuidar uns dos outros e dividindo com o pai as tarefas da casa.

[
Clique aqui para contribuir com a vaquinha e faça a sua doação em boleto, cartão de crédito ou Paypal]

Suas filhas sonham em ser policiais e seu filho quer ser caminhoneiro. 

“Porque é melhor estudar para, quando crescer, não se arrepender de não ter estudado, quero ser policial ou cirurgiã, não faz parte dos nossos planos desistir”- contou uma de suas filhas.

Hoje, a família tem vivido com doações de familiares


No inicio do ano, seu filho Wellington, de 16 anos, foi descalço para a escola. Chegando lá, acabou levando uma advertência verbal por isso.

Ao questionar o garoto, a escola descobriu que ele não possuía nenhum calçado para usar. A escola os ajudou, comprando chinelos e tênis para as crianças.

.
.
Seu Edenilson trabalha como caseiro em uma chácara, mas há mais de 3 meses não recebe seu salário e a família tem passado por muitas dificuldades.

A história chegou até nós através do Herison, da Folha Norte SC.

Todo valor arrecadado na vaquinha será para a compra de um computador, para que as crianças tenham acesso a internet e para que a família possa se manter durante a pandemia.



[Clique aqui para contribuir com a vaquinha e faça a sua doação em boleto, cartão de crédito ou Paypal]

O valor mínimo da doação na plataforma é R$25,00 por conta das taxas bancárias e no Paypal é de R$40.

Se você quiser, pode combinar com os amigos e dividir o valor entre vocês, que tal?

A equipe da VOAA apura todas as vaquinhas publicadas na plataforma. Acompanhamos as histórias antes, durante e após finalizar as campanhas em nossas redes sociais.

Problemas com pagamentos? Envie e-mail para [email protected]