Vaquinha para confeiteira humilhada por cliente ao cobrar taxa de entrega conseguir se manter durante a pandemia

A confeiteira Ângela Oliveira, 27 anos, está há 4 meses trabalhando com encomendas de bolos em Marília, interior de SP.

Desempregada por conta da pandemia, ela começou a fazer bolos para sustentar os dois filhos pequenos, um de 7 e 4 anos, e a casa, onde paga um aluguel de R$650.

Recentemente essa mulher batalhadora foi humilhada por uma cliente ao cobrar uma taxa de R$2 do delivery.

Na troca de mensagens, a mulher chama Ângela de “louca” e que “ela não conseguirá nada da vida dessa maneira”.

“Isso me machucou demais, chorei muito, fui forte pelos meus filhos, eles precisam de mim”, desabafou Ângela.

A vaquinha é para a Ângela manter seus aluguéis em dia e sustentar a casa e os filhos por longos meses durante a pandemia.

Com o valor ela também investirá no seu negócio para a compra de ingredientes e materiais como batedeira, liquidificador, forno, formas e muito mais, já que todos esses itens ela pega emprestado da vizinhança.

Para contribuir, clique acima em "Contribua" e faça a sua doação em boleto, cartão de crédito ou Paypal.

Ângela é humilhada após cobrar taxa de entrega de R$2

Era domingo à noite, umas 19h, quando uma cliente pediu um bolo de pote de leite ninho com morango.

Por conta do horário, Ângela explicou que teria uma taxa de R$2 para a entrega do motoboy.

Foi quando ela começou a receber as ofensas da mulher que a chamou de “louca” e que ela “não tinha profissionalismo”.

“Amo fazer bolos, mas essas palavras me feriram e me doem muito ainda”.

 Há 6 meses mudou-se para Marília após sofrer ameaças do ex-marido

Essa guerreira conseguiu sair de um relacionamento abusivo que viveu por 10 anos.

Sair de Sorocaba (SP) foi a maneira que encontrou para se proteger e recomeçar a sua vida ao lado dos filhos.

“Depois de um ano separada dele, comecei a sofrer ameaças de morte. Ele me perseguia e dizia que tiraria meus filhos de mim”.

Hoje, Ângela tem a protetiva e tenta recomeçar sua vida em Marília.

Desempregada, ela não conseguiu o auxílio do governo

Por conta da pandemia, essa jovem mãe foi manda embora do emprego em que era recepcionista.

Foi quando ela viu nos bolos uma forma de ter uma renda.

“Faço bolos todos os dias e vendo de porta em porta ou quando tem pedido.

Ela aprendeu com vídeos do Youtube a fazer bolos e doces

E foi assim que ela tem se virado e feito bolos deliciosos!

"Eu nunca tinha feito bolo antes, mas me vi no desespero de ter aluguel para pagar e as contas chegando. Pedi R$100 reais emprestado  para minha mãe e comecei primeiro com recheios que eu sabia fazer como brigadeiro e prestígio".

Para contribuir, clique acima em "Contribua" e faça a sua doação em boleto, cartão de crédito ou Paypal.

O valor mínimo da doação na plataforma é R$25,00 por conta das taxas bancárias e no Paypal é de R$40.

Se você quiser, pode combinar com os amigos e dividir o valor entre vocês, que tal?

A equipe da VOAA apura todas as vaquinhas publicadas na plataforma. Acompanhamos as histórias antes, durante e após finalizar as campanhas em nossas redes sociais.

Outras dúvidas? Nos mande WhatsApp clicando aqui.

Problemas com pagamentos? Envie e-mail para [email protected]

Parte I: conversamos com a Ângela sobre toda a repercussão da história. Ela ficou muito feliz com o apoio pelo seu trabalho e pelas contribuições. Clique aqui e aqui para assistir